sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Sempre em todo o lado, a pensar em ti!


Não conheço o Miguel e só soube da sua história através do blogue da Rita.
Desconheço porque não pode ver o filho, e os motivos que estarão subjacentes a esta situação triste. Ainda assim, não consegui ficar indiferente a este pai que se vê diariamente privado da presença do filho Santiago. 
Na minha profissão costuma dizer-se que "cada caso é um caso", e não sei o que está por detrás deste. Mas muito pouca coisa justifica esta alienação do pai da vida de um filho. Este acerto de contas que os adultos às vezes têm a mania de fazer, supostamente em nome do amor. Um bocadinho como as guerras santas, perdoem-me a comparação.
Não há santidade nem amor nenhum que justifique apagar um pai ou uma mãe da vida de uma criança. Não há discussões, palavras mal ditas, desacertos conjugais, ciúmes, nem amuos que justifiquem tamanha atrocidade. 
E a não ser que a segurança da criança esteja, de facto, posta em risco, nada {absolutamente nada} pode servir de desculpa para tirar-lhe o direito de privar com o pai ou com a mãe.
E só por essa razão, divulgo o vídeo que o Miguel ofereceu ao filho no seu 7º aniversário. E peço-vos também que divulguem.
A minha filha tem sete anos. Não há como ficar indiferente.



1 comentário:

shalom disse...

Estou sem palavras e muito emocionadaaa!!